Melissa Gatto lamenta saída de Cyborg do UFC: “Uma das minhas inspirações”

Promessa do Ultimate rasgou elogios a compatriota

Após fazer um grande sucesso no cenário nacional onde manteve a invencibilidade em 8 combates, Melissa Gatto foi agraciada com um contrato com UFC em maio desse ano. Cotada como uma das maiores promessas brasileiras na organização, a lutadora se juntou a grandes estrelas no plantel do Ultimate como Cris Cyborg e Amanda Nunes. O que a campineira não esperava é que meses depois de assinar com o UFC, uma de suas inspirações fosse mudar deixar a organização:

— Fiquei um pouco triste pela saída da Cris do UFC. Ela é umas das melhores lutadoras do mundo! Mas acredito que ela vai brilhar e fazer história em qualquer evento que ela for.

Após se envolver em várias rusgas com Dana White, presidente do UFC, Cyborg decidiu não renovar seu contrato e assinar com o Bellator, maior concorrente do evento. Ostentando o maior contrato da história do MMA feminino, há décadas Cris serve de inspiração para uma legião de lutadoras mundo afora. Não foi diferente com Melissa Gatto, que revelou como a atleta foi e ainda é um de seus maiores ídolos no esporte:

— Com certeza, ela foi e ainda é uma das minhas inspirações — declarou Melissa ao falar sobre a ex-campeã peso-pena do UFC.

Melissa Gatto foi contratada pelo Ultimate para substituir Jessica Rose-Clark no UFC 237, mas uma infecção de pele acabou a tirando de combate na semana do evento. Com luta marcada para o UFC 239, Melissa acabou tendo outra surpresa, já que foi flagrada no exame antidoping. Apesar de alegar que consumiu um suplemente contaminado, Melissa deve arcar com a pena, já que os custos para a contraprova fogem de sua realidade atual.

— A princípio, para a redução da minha pena, teríamos que testar os suplementos. Para testá-los, o valor é de 500 dólares por suplemento, infelizmente, não tenho condições de pagar esse valor. Eu saí de eventos nacionais, ganhando 500 reais para lutar, tendo que pagar custos de viagem e alimentação, além disso, ainda não consegui estrear no UFC. Acredito que teremos que acatar com a pena de um ano mesmo — declarou Melissa ao falar sobre a atual situação.

 

Aos 23 anos, a lutadora é uma das mais jovens atletas do plantel do UFC. Aguardando uma posição oficial da NSAC (Comissão Atlética de Nevada), Melissa deve pegar um gancho de 1 ano, a expectativa é de que seja liberada para lutar entre maio e julho do próximo ano.


Crédito foto: Photo Fight Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *